Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2005

Director ou diretor?

A Base III do acordo ortográfico não altera nada. Por isso, passamos à base seguinte, que contém matéria para muita discussão e estabelece regras de pôr em pé os cabelos a pessoas pouco amigas de mudanças.

A Base IV começa por tratar das sequências cc, como em friccionar, cç como em ficção, ct como em pacto, pç como em opção e pt como em apto.

Em todos os exemplos a primeira consoante pronuncia-se em todas as pronúncias cultas da língua e, por isso, conserva-se. Aliás, nem de outra maneira poderia ser.

Há casos em que a primeira consoante não se pronuncia em nenhuma pronúncia culta da língua portuguesa. Nesse caso, essa segunda consoante é sempre eliminada. Assim, depois de entrar em vigor o acordo ortográfico, passaremos a escrever em Portugal acionar, ação, diretor, objeção e batismo. No Brasil não existe mudança já que há décadas se usam essas grafias.

É melhor parar aqui porque o que fica escrito já é de tirar a vontade de viver a muita gente.
publicado por João Manuel Maia Alves às 11:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2005

H - essa vaca sagrada

Sabia que já se escreveu hombro? Não tinha qualquer base etimológica porque a palavra vem do latim umeru. Há pessoas que, sem necessidade, complicam a língua. Então não é que houve no passado pessoas que puseram um H no início da palavra é?

O H é uma letra bem esquisita. Caiu em espanhol, que vem do latim hispaniolu. Também caiu em erva mas mantém-se em herbáceo. Permanece em palavras derivadas do latim por via culta ou erudita, o que é uma coisa que pouco interessa ao utilizador normal da língua e leva a faltas de lógica como é existirem com o mesmo significado as palavras ervanário e herbanário.

Numa rádio local foi há anos dito que “o saramago é uma erva herbácea”. A frase é tola, mas mostra bem as incoerências do uso do H no princípio de palavras.

Quase de certeza o H se continuará a usar no início de muita palavra portuguesa ao longo dos séculos. Não há coragem nem vontade para o eliminar.

Os italianos escrevem umanità (humanidade), umore (humor), uomo (homem), omocida (homicida) e igiene (higiene). Em italiano muito poucas palavras começam por H e são todas ou quase todas de origem estrangeira. Se o português seguisse pelo mesmo caminho, talvez estranhássemos a princípio, mas, passado pouco tempo, não sentiríamos nenhuma falta. Se o H é desnecessário em desumano, não pode ser eliminado em humano? Faz alguma falta em espanhol? Alguém gostaria que se voltasse a escrever hespanhol?

Imaginem que alguém propunha a eliminação do H inicial. Cairia o Carmo e a Trindade. As pequenas alterações introduzidas pelo acordo ortográfico provocaram reacções violentas. Até houve quem, muito a sério, invocasse a constituição por achar que a ortografia faz parte do património da nação. Santo Deus! Acham que a constituição se deve preocupar com assuntos como a ortografia?

Os brasileiros eliminaram certas consoantes surdas em palavras como baptismo ou actor, mas relativamente ao H inicial têm sido atentos, veneradores e obrigados. Que eu saiba, nesse aspecto só diferem de Portugal na palavra húmido e seus derivados. No outro lado do Atlântico escrevem úmido, umidade, umidificar, etc mas escrevem, como nós, hora, horta, hemisfério e hélio.

O H inicial permanece intocável. Faz lembrar as vacas sagradas da Índia. Como são sagradas, não podem ser incomodadas mesmo que se deitem na rua e obstruam o trânsito.
publicado por João Manuel Maia Alves às 09:27
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 18 de Janeiro de 2005

Quanto vale um bilião?

O significado da palavra bilião e seus equivalentes noutras línguas depende do país. Em Portugal, Reino Unido, Alemanha e países de língua espanhola bilião é de um milhão de milhões, ou seja 1 seguido de doze zeros. Nos Estados Unidos, no Brasil e noutros países é mil milhões, 1 seguido de nove zeros.

Na IX Conferência Internacional do Sistema Internacional de Pesos e Medidas, que se realizou em Paris em 1949, foi unanimente aceite, que um bilião é um milhão de milhões, um trilião um milhão de biliões, etc. No entanto, nos Estados Unidos, no Brasil e noutros países não foi posta em prática essa resolução e continua bilião a significar mil milhões, trilião um milhão de milhões, etc.

Nos países, como Portugal, que adoptaram a decisão da referida conferência internacional, usa-se a regra dos 6N, da qual resulta:

Bilião: 1 seguido de 6.2 = 12 zeros
Trilião: 1 seguido de 6.3 = 18 zeros
Quadrilião: 1 seguido de 6.4 = 24 zeros
.........
.........
Centilião: 1 seguido 6.100 = 600 zeros
.........

Nos outros países a regra é a dos 3.(N+1), da qual resulta:

Bilião: 1 seguido 3.(2+1) = 9 zeros
Trilião: 1 seguido de 3.(3+1) = 12 zeros
Quadrilião: 1 seguido de 3.(4+1) = 15 zeros
.........
.........
Centilião: 1 seguido 3.(100+1)= 303 zeros
.........

Bilhão significa o mesmo que bilião. Era a forma recomendada por Cândido de Figueiredo, um grande linguista do começo do século XX. Essa grafia não vingou em Portugal, mas é habitual no Brasil. Os derivados de bilhão são os mesmos de bilião – bilionésimo, bilionário, etc. Trilhão, quadrilhão, etc. são sinónimos de trilião, quadrilião, etc.

Não diga que a China tem mais de um bilião de habitantes, mas sim que tem uma população de mais de mil milhões.
publicado por João Manuel Maia Alves às 12:11
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 11 de Janeiro de 2005

H inicial e final

A Base II do acordo ortográfico chama-se “Do h inicial e final”. Trata do uso da letra h fora dos dígrafos ch, lh e nh.

Diz o acordo que o h inicial emprega-se:

a) Por força da etimologia em palavras como haver, do latim habere, ou homem, do latim homine
b) Sem qualquer razão etimológica, por simples convenção: hã?, hem?, hum!.

Há palavras que, se atendêssemos à sua etimologia, começariam por h, mas a supressão desta letra vem de há muito tempo. É o caso de erva, do latim herba, e seus derivados: ervaçal, ervanário, ervoso. Mantém-se a supressão com o acordo ortográfico. Era só que faltava escrever tais palavras com um h no início!

Da mesma raiz latina que erva temos herbáceo, herbanário, herboso. Trata-se de formas de origem erudita que mantêm o h.

Que alterações introduz a Base II? Nenhumas para alegria dos conservadores ortográficos.

Voltaremos ao h. Há muita coisa interessante a dizer sobre essa estranha letra.
publicado por João Manuel Maia Alves às 09:19
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Janeiro de 2005

Mais grafias alternativas

O acordo ortográfico estabelece na sua Base I regras para nomes hebraicos da tradição bíblica terminados em ch, ph e th, como Baruch, Loth, Moloch e Ziph. Diz o acordo que os dígrafos finais destes nomes - ch, ph e th - podem conservar-se ou simplificar-se: Baruc, Lot, Moloc, Zif. Como resultado temos mais algumas grafias alternativas. Pode, no entanto, perguntar-se se se justifica a manutenção duma grafia como Ziph. Será que alguém ainda a usa?

Recorde-se que dígrafo é um conjunto de duas letras que representam um único som.

Diz mais o acordo que, se qualquer um destes dígrafos em formas do mesmo tipo é invariavelmente mudo, elimina-se: José, Nazaré, em vez de Joseph, Nazareth; e, se algum deles, por força do uso, permite adaptação, substitui-se, recebendo uma adição vocálica: Judite, em vez de Judith. O comentário que apetece fazer é que esta regra parece desnecessária, pois há muitos, muitos anos escrevemos José, Nazaré e Judite. Já quase se perdeu a noção de estes nomes provirem da Bíblia.

Com este artigo termina a análise da Base I do acordo ortográfico. Vejamos os seus pontos mais importantes:

-Constituição do alfabeto português
-Casos em que se usam as letras K, W e Y
-Regras para a formação de vocábulos derivados de nomes próprios estrangeiros
-Regras referentes a nomes bíblicos
-Recomendações quanto ao aportuguesamento de nomes de topónimos (nomes de locais) estrangeiros.
publicado por João Manuel Maia Alves às 09:41
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. Convite

. Acordos de 1990 e 1945

. Boas notícias

. Notícias do acordo ortogr...

. Ortografia – uma convençã...

. Reformas ortográficas

. São Tomé e Príncipe ratif...

. Contracções incorrectas

. Guiné-Bissau e Acordo Ort...

. Cimeira e acordo ortográf...

.arquivos

. Maio 2010

. Março 2008

. Novembro 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds